Cadê os empregos?

Em novembro de 2017, com a grande promessa da geração de emprego aos brasileiros e melhores condições de trabalho, o governo de Temer, com grande coro dos patrões, aprovou a Reforma Trabalhista!

Mas, muito ao contrário do que o prometido, o que vemos no Brasil é o alto índice de desemprego, queda no valor da média do salário, aumento da informalidade e a precarização das relações trabalhistas.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), 69,9 mil trabalhadores foram contratados como intermitentes, ou seja, sem jornada e salário fixos, ficando à disposição do patrão, ganhando apenas pelas horas trabalhadas. Mesmo assim, desse número, 19,9 mil foram demitidos ao longo do ano e 50 mil se mantiveram em um emprego com esse sistema de contrato extremamente precário.

Infelizmente, a demissão de “comum acordo” entre o patrão e o trabalhador também contou com alto índice. Ainda de acordo com o Caged, cerca de 163,7 mil trabalhadores aderiram a esse tipo de demissão, abrindo mão de grande parte de seus direitos. Isso porque a demissão de comum acordo acontece quando o patrão quer demitir e não pagar a indenização. Assim, o trabalhador não tem direito ao seguro-desemprego, saca apenas 80% do FGTS e recebe apenas metade do aviso prévio e da multa do FGTS.

Como se tudo isso não bastasse, o Brasil fechou 2018 com 12,1 milhões de pessoas sem trabalho (dados do IBGE). Ou seja, milhões de famílias passando necessidade e vivendo em condições precárias!

Agora, além da Reforma Trabalhista, o governo que acabar com o sistema da justiça trabalhista! Querem acabar com o Ministério do Trabalho, com a Justiça do Trabalho, com a Negociação Coletiva, a greve! Ou seja, com o sistema de justiça trabalhista como um todo, que garante mecanismos de luta e de proteção social! Tudo isso está sendo atacado!

Diante de todas as questões apontadas, vemos o ganho do trabalhador diminuir e, consequentemente, seu poder de compra também diminui, afetando a circulação de dinheiro e a economia de maneira geral. Dessa forma, como o Brasil vai crescer?

Com todas essas atrocidades que a Reforma Trabalhista trouxe ao brasileiro, ficam as perguntas: E agora patrão? Cadê os empregos que vocês prometeram? Onde estão as melhores condições de trabalho aos brasileiros que o governo garantiu? Não ia melhorar?

GALERIA